Procurar:

domingo, 2 de junho de 2013


FUI VISITAR UM VELHO AMIGO

Falecido em: 21 de Abril de 2014
 
                   Um dia... com o CT1DY                                          


Introdução

Antes de mais, quero dizer-lhes, que conheço o Colega Grilo já faz uns bons 40 e tal anos, era eu um “puto” (tinha     uns risonhos 17 anos) acabado de ser  formado na velha escola,  do Radioamadorismo, já o Grilo era um homem feito, casado, exercendo a sua profissão de Técnico de Electrónica na RARET (Empresa já extinta pelos seus donos, os EUA) localizada na Glória, ali bem no coração do Ribatejo.
Nessa época  morava eu em casa de meus Pais, nos Olivais Sul, perto do então QTH de CT1VC, Rui Sá Nogueira.
Ali bem perto, morava  o Colega CT1XI-Mariano Gonçalves, que além de ser um grande amigo, era também meu colega de batente, na Empresa PLESSEY-Automática Eléctrica Portuguesa, em Cabo Ruivo, também já extinta faz alguns anos.
Tive ocasião de algumas vezes, visitar o Grilo na sua casa, dentro das instalações da RARET onde habitava, tendo ali ocasião de constatar pela primeira vez, as influências que a  RF (Radiofrequência) tinha  nalguns objectos caseiros, tais como lâmpadas fluorescentes que acendiam sem estarem ligadas nos interruptores, devido ao campo Radioeléctrico gerado pelos emissores de onda curta durante certas horas da noite em que os emissores debitavam a sua máxima potência para assim poderem alcançar os locais onde se destinavam as emissões.
Assim, por vezes tinham de se retirar as lâmpadas fluorescentes dos seus suportes e colocá-las atrás das portas das dispensas, para  que as pessoas pudessem descansar durante a noite e não serem incomodadas com o flamejar das lâmpadas ao ritmo das vozes e das musicas que os emissores enviavam para as cortinas de antenas ali instaladas.
Fazíamos Qso’s frequentemente em VHF e o Grilo era sempre um grande entusiasta das comunicações em VHF e falava-me já naquela altura em comunicações em UHF que era a banda do futuro, o que eu devido à minha ignorância radioamadorística  não acreditava muito, diga-se em abono da verdade.
Quando fazíamos Qso’s nos 40 metros, ele dava-me sempre reportagens de 4-6  ou 4-5, nunca me dava 59 e, eu ficava todo “lixado”, chegando muitas vezes a dizer-lhe que ele era um  “forreta do caraças” pois nunca me dava um 59, ao que ele me respondia:  “ …um dia quando cá vieres a minha casa eu mostro-te porque é que eu não te dou 59…Oh…Xico…”
Pois quando visitei o Grilo pela primeira vez na RARET, a minha primeira preocupação, foi saber qual era então aquele misterioso enigma que não deixava o Grilo passar-me reportagem de gente crescida e dá-me sempre uns sinais  miseráveis.
Então o Colega Grilo, levou-me ao local do crime….subimos ao primeiro andar….ele foi buscar uma lâmpada de filamentos para 12V-150mA (estes valores já não estou certo deles, mas fica registado apenas como exemplo…) colocou-a na baixada da antena dos 40 Metros e qual não foi o meu espanto…ela acendeu….tal qual estivesse ligada a uma fonte de 12V….então o Grilo disse-me:  “…Oh Xico…estás agora a ver porque é que eu não te escuto com 59.????”
Ai…percebi finalmente, que devido à  forte intensidade de campo existente no local, era de todo impossível ter no receptor menos de 59 de QRM....era impressionante acreditem.!!!
Bom…muito teria de contar de episódios dessa época com o CT1DY, como por exemplo ter aprendido com o Grilo a fazer botões para utilizar nas construções de receptores e emissores, conversores, utilizando as tampas dos dentífricos da Colgate e Pepsodente e, que ainda hoje muitos Amadores desconhecem as dificuldades que o Radioamador naqueles tempos sentia ( $$$$$$$ ) em conseguir arranjar maneira de comprar esses botões para embelezar e dar vida aos seus equipamentos.
Mas isto foi só para vos dizer que conheço o CÊTÊ...UM…DÊ…IPESILÃO, já faz uns bons anitos….

                              Vamos então à Visita….

Já havia muito tempo, que tinha intenção de fazer uma visita a um velho Amigo de longa data, o CT1DY - Colega António Monteiro Grilo.
Combinamos pela Rádio nos 145.350 MHz, o dia, a hora, o local e, lá pus pés ao caminho e fui ter com o Grilo a Vialonga.
À boa maneira Inglesa, 11:30 da manhã, lá estava eu á porta do Jovem Grilo, estando ele à minha espera na janela de sua casa com o seu portátil de VHF em punho, tal como tinhamos combinado.
Subi o elevador, deparei-me então com a porta já aberta…e lá do fundo ouvi uma voz já muito conhecida….”entra Xico… entra aqui para o fundo…. entra e fecha a porta….”
Lá me encaminhei para o local onde tinha ouvido a voz do Colega Grilo…lá estava ele…sempre amável…simpático….e quando a saúde o deixa… (o que foi o caso) muito bem humorado e brincalhão.
É pá…estás na mesma Xico…tu não te fazes velho….disse-me ele, estendendo-me a mão.
Depois das apresentações habituais e das saudações de quem já não se vê faz algum tempo, entrámos finalmente, no verdadeiro motivo (para além de poder estar pessoalmente com o Grilo) que me tinha levado a visitá-lo e a fazer-lhe perder o seu precioso tempo, …ver como se podiam receber imagens dos satélites meteorológicos… de saber, como era possível observar as manchas solares diariamente e fazer os seus registos….de conhecer, os equipamentos utilizados nestas buscas….que tipos de antenas eram utilizadas…enfim um sem numero de coisas que me despertaram o interesse e,  que o Grilo gentilmente se disponibilizou para me explicar.
Mas… o Colega CT1DY, como pessoa organizada que é, traçou logo ali o programa para o dia…. “Oh….Xico, como são quase horas de almoço, vamos só receber aqui umas imagens do satélite que está quase a passar, até para veres como isto é….depois vamos almoçar e ficas desde já convidado por mim para irmos vitaminar fora, pago EU…ouviste.???
Quando viermos do almoço….então já estamos com a tarde toda livre para podermos dar volta a tudo….estás de acordo ou não.????
Claro…quem é que não podia estar de acordo.????
Começou por me mostrar em pormenor uma das três salas onde está instalado a parte respeitante à recepção dos satélites meteorológicos, o VHF e UHF a TVA, os 23 cm em Fonia, a Oficina e o laboratório.
Tudo isto, devidamente acondicionado, devidamente protegido com resguardos em todos os equipamentos  por causa das poeiras, tudo devidamente identificado com etiquetas nas fichas diversas de áudio, nas fichas de antenas, nas alimentações, os Mapas, as cartas, as tabelas das orbitas, os registos, enfim….a coisa estava como se tudo aquilo fosse uma verdadeira sala de operações de um centro de rastreio de satélites em plena laboração, dava gosto ver…e sentir o cheiro do mistério e do ambiente que ali se vivia…era a exploração do Espaço…o mistério que vinha dos Céus e que nos entrava ora pela janela ora pela antena do receptor.
Naquilo, decorre uma operação relâmpago….o CT1DY liga o computador….faz accionar um programa que era o WXSAT…liga um receptor especial só para receber as frequências de satélites….eu começo a ouvir uns apitinhos lá no fundo….terruk…terruk…terruk….terruk….e lá estava, ali mesmo à minha frente…bem visível  no monitor o mapa da Península Ibérica, Norte de África…Madeira…Canárias…etc, e tudo a cores….era um espanto!!!!
Bom…já não me apetecia ir almoçar….estava com mais vontade de ali ficar e esperar pela próxima passagem do satélite, mas o Grilo acalmou-me:  “ Oh…Xico….a próxima passagem é por volta das 16:20 e a orbita ainda é mais favorável de modo que quando ele passar de novo, já tu estás ao corrente de como tudo isto funciona….”
Fomos então almoçar….deslocamo-nos a um Restaurante ali das redondezas e, enquanto almoçava-mos lembrámos episódios que tínhamos passado fazia já alguns anos, de colegas com quem privamos, de aventuras que tivemos com as nossas famílias, enfim um “recordar é viver”.
Após o almoço, lá nos dirigimos de novo até ao QTH do Colega Grilo, estava um calor de arrasar….o Grilo foi vestir então o seu traje de trabalho, fato-macaco de uma Marca de Motos Japonesas, bastante conhecida e ficou então pronto para aquilo que eu lhe tinha pedido e que ele fez magnificamente; - explicar-me tim, por tim tim…todos os passos e todos os segredos daquele “Mundo” que habitava dentro da sua casa  e que eu tanto queria conhecer.
Passamos então para uma outra sala, ali estava instalado um enorme telescópio, montado numa estrutura de madeira desenhada e construída pelo CT1DY onde se poderia, entre outras coisas, regular mecanicamente a inclinação do telescópio relativamente à posição do Sol, aplicar filtros de protecção de UV, aplicar a imagem recebida do Sol a uma tela especial onde se identificariam as manchas solares, montar um elemento electrónico que possibilitaria visionar num televisor ou num monitor as  imagens que estavam a ser projectadas pelo telescópio, acompanhar mecanicamente a trajectória do Sol, etc…etc…
- Aquilo  prometia.!!!
Mais ao lado um modelo mais simplificado de outro telescópio de construção caseira: home made CT1DY, que basicamente fazia o mesmo que o anterior, embora com menos capacidades e com menos resolução visto a objectiva ser de menores dimensões.
E foi com este mesmo telescópio, que o CT1DY me deu o privilégio de poder pela primeira vez na vida, ter visto  "in loco"  uma imagem projectada do Sol e as suas 5 manchas solares que se estavam a registar naquele preciso momento num gráfico ( construído também pelo CT1DY ) pelo Colega Grilo.
O Grilo, pegou então numa estrutura em madeira por si construída e, colocou-a num suporte, também de sua construção, que estava instalado no varandim da janela da sala onde estávamos naquele momento.
Este suporte estava já previamente posicionado em relação à hora e à posição do Sol naquele momento.
Tudo estava estudado... ajustado... calibrado... para que nada falhasse, quando fosse preciso fazer as leituras das manchas solares com aquele instrumento.
 Falta-me dizer-lhes, que aquela estrutura de madeira construída pelo CT1DY, continha dentro o telescópio, bem como um mecanismo de desmultiplicação , que permitia fazer um ajuste muito fino, da deslocação das lentes do telescópio, permitindo assim focar com mais precisão e nitidez as imagens, que iriam ser projectadas na tal escala graduada, também ela construída pelo CT1DY.
"Bom...agora oh...Xico...vamos lá a ver se isto funciona....pois o Sol já se está a querer passar para o outro lado...."
E ali estavam elas...as manchas solares…5 grupos de pontinhos devidamente definidos, espalhados pela superfície solar.
O Colega Grilo disse-me então: "oh...Xico...queres ver como isto funciona....mexe lá aqui neste botão....roda-o para a esquerda e para a direita, e vê lá se não vês o Sol a ser deslocado num e noutro sentido, ali naquela escala que está ao fundo.????"
E assim aconteceu...tal como ele me tinha dito.
Ao deslocar aquele botão (tipo manivela) ora para a esquerda ora para o direita, a imagem do Sol também se deslocava no sentido por nós pretendido, permitindo assim, colocar a projecção da imagem do Sol dentro da tal escala idealizado pelo CT1DY.
Lembrei-me então…de há uns meses atrás ter estado a ver com a ajuda de 2 discketes sobrepostas, a passagem de um Planeta pela frente ao Sol e que me deixou encantado.
Perguntei então ao Colega Grilo se por acaso ele tinha visto aquele fenómeno... ao que ele respondeu:.….” Oh…Xico, sabes que eu por aqui estou sempre em cima dos acontecimentos, até porque cruzo estas informações todas com um Astrónomo dos Açores ao qual  envio  periodicamente estes registos que depois vão ser compilados e cruzados também com outros registos que são recebidos de diversos pontos do Mundo e enviados à NASA.
O Grilo foi então a um grupo de registos de cartas solares…desfolhou cuidadosamente algumas e……” ora aqui está…..estás a ver aqui…cá está ele…entrou por este lado aqui e saiu por ali….” lá estava ele devidamente assinalado na tal carta de registo das manchas solares que diariamente é efectuada pelo Grilo.
Era impressionante….estava tudo ali…à mão…parecia que era só perguntar e as coisas apareciam.
Eu fazia-lhe perguntas atrás de perguntas, o Grilo dava-me sem vacilar explicações atrás de explicações!!!
Foram-me mostrados, mais alguns programas instalados em computadores, que serviam também, para seguir as órbitas de alguns satélites meteorológicos e de Radioamadores, receptores diversos, antenas para os diversos satélites (...todas de construção caseira...), relógios especiais com alarmes, gravadores, etc....etc....ect...
Passámos então para a sala, onde estavam instalados os computadores centrais daquele centro de rastreio de satélites do CT1DY, pois estava quase na hora de mais uma passagem do NOAA 15 e, aquela orbita era muito mais favorável que a que tinha sido rastreada da manhã.
O Grilo ligou então o seu receptor especial, que se destinava única e exclusivamente a frequências de satélites, equipado com filtros e correctores de áudio, que permitiam assim receber com melhor qualidade as imagens enviadas pelos diversos satélites meteorológicos ou de Radioamadores.
Após tudo ligado, receptor...computadores...monitores....e seus periféricos, tudo estava apostes para começar a receber as imagens enviadas pelo NOAA 15.
Eram 16:35 UTC....e mesmo à hora marcada, lá estava....a imagem a começar a ser formada no monitor.
E qual não foi o meu espanto....quando verifiquei que a imagem era a cores....nítida.....sem riscos...totalmente comparada com aquelas imagens que víamos por vezes no Serviço de Meteorologia Nacional após o Telejornal.
Fiquei de boca aberta.!!!!
Aquilo era única e simplesmente "espantástico"...hi...hi...hi...
Como a imagem era de boa qualidade, o colega Grilo guardou-a numa pasta que o próprio programa continha, permitindo assim ao utilizador poder mais tarde reve-la ou imprimi-la.
A minha alma estava parva....como aquilo era (parecia...) tão simples....mais fácil que saltar à corda.!!!!
Depois o Colega Grilo, fez questão de me oferecer verbalmente, umas quantas informações relativas às orbitas dos satélites, as antenas a usar, sites onde eu poderia obter as actualizações dos "Keplers"   (... que tanto me custou a dizer...o Grilo já se ria a bandeiras despregadas, por eu não conseguir dizer Keplers....só conseguia dizer: Kreplers...), para assim estar em actualização constante sobre as correcções das orbitas dos satélites e das horas de passagem que vão sendo actualizadas.
Trouxe também umas discketes com 2 programas, um para  para receber imagens de satélites e outro para fazer o seguimento visual  dos mesmos, sabendo assim, onde estão os satélites localizados em qualquer instante, relativamente ao meu QTH.
Estava a chegar ao fim, a minha visita a casa do Colega António Monteiro Grilo - CT1DY, por Vialonga, pois tinha de me ausentar por motivos pessoais e não podia estar mais tempo na boa companhia do Grilo.
Foram as despedidas....sempre cordial, simpático, bem disposto, o Colega Grilo acompanhou-me à porta e em estilo de despedida disse: " oh...Xico...agora quero-te ver já logo ou amanhã a receberes imagens dos satélites..."olha que temos de dar continuidade a isto".....estás a perceber...oh...Xico.????"
Eu sabia muito bem o que o Grilo me queria dizer com aquilo....e fiz-lhe a vontade com todo o gosto, passadas algumas horas, embora um pouco baralhado e confuso....lá estava eu a receber primeiro, os sons característicos das informações enviadas pelo satélite, depois então...as imagens dos  Satélites NOOA 12...15...17.
As primeiras saiam tortas...escuras....brancas...cheias de grão....ou simplesmente não recebia nada, mas após uns QSO´s em Banda Cruzada  nos 145.350 MHz/434.350 MHz com o Grilo, tudo me foi devidamente esclarecido e posto a funcionar correctamente, vejam lá que até aprendi a dizer sem dificuldade " Keplers.!!!!
O que eu aprendi com o Jovem Grilo.!!!!!
A minha próxima etapa irá ser ....as manchas solares e os astros.!!!
                                                                 
Nota:

Como todos os Cientistas e todos os estudiosos, eles raramente gostam de falar sobre si próprios....temos de ser nós, a ir ao seu encontro e, faze-los transpor cá para fora a sua sabedoria, a sua experiência, a sua capacidade ( quem não se lembra do falecido CT1WW-Tiago; e do nosso vivinho de Benavente Colega Mário Portugal-CT1DT.???).
Portanto..... Caros Colegas....em especial aos Colegas mais Jovens....se gostam de conhecer coisas novas, se gostam de explorar o Universo, saber coisas sobre astronomia, trocar impressões sobre telecomunicações, conhecer um autentico laboratório caseiro de exploração espacial....se gostam.???...então um dia que possam, visitem o nosso Colega Grilo CT1DY, posso garantir-lhes que não vão dar por mal empregue o tempo da vossa visita.
Façam sentir ao Colega Grilo, que o seu esforço não está a ser feito em vão....façam sentir ao Grilo que ele tem muito que nos ensinar e nos dar da sua sabedoria, das suas experiências, do seu longo percurso como Radioamador e Homem das Ciências, pois se assim não for.....ele vai continuar a dizer-me: - oh...Xico..."olha que temos de dar continuidade a isto pá".....


Francisco José Martins Gonçalves
                                 CT1DL
                             Junho 2013